domingo, 5 de fevereiro de 2012

Poesia - das poesias

Quando a poesia me bate na porta
Eu geralmente a deixo entrar.

Vem sempre bem vestida, de sorriso estampado.
Porém há dias em que meu turbilhão de emoções
não consegue se organizar.

Eu não a deixo nem argumentar
Fecho a porta bruscamente sem pena nem remorso.
'Saia daqui, não quero mais te amar'

Mas a vida sem amor é bruta e nada gentil
tudo fica sem libertinagem
E quem é que vive sem a maldade?

Fazer poesia de amor é 'fácil', rimamos, rimamos, rimamos...
Aí sim está feita a obra prima
que arranca suspiros e sonhos dos hermeneutas.

Mas, fazer a poesia de amor com amor não é nada fácil
O poeta sempre vai pensar que falta...
vai querer mais, vai exigir mais, vai imaginar mais.

Essa é a vantagem de se escrever, você sai e permanece em si ao mesmo tempo
Eu adoro belas histórias, mas, eu gosto mesmo é do texto sujo, mal educado
que chega sem pedir por favor e flui constantemente!

Nenhum comentário:

Postar um comentário