domingo, 18 de dezembro de 2011

entre nós, da amizade

Querido amigo,

há de chegar o dia, em que nós dois
Possamos conviver em harmonia

E antes de tal fato,
Vou poder dizer que eu tentei,
Que eu quis
Tentei retomar pr minucias e grandiosidades
Essa amizade que antes olhava as estrelas.

Não pense amado amigo,
Que todo esse esforço o qual te dedico
Sejam juras e sonhos de amor,
Pois, se um dia for , será

Não serão juras, nem cartas, nem poemas, muito menos palavras e poesias dedicados que farão
acontecer
Tal fato estará presente,pela maneira em que os olhos vão brilhar, no tocar dos corpos, mãos e lábios.
Na troca de olhares e sorrisos.

Peço- te aqui amigo, nesse curto poema, que não me entenda mal.
Que não pense que todo esse esforço
Essa maneira de querer, de procurar, de se preocupar, de mandar mensagem e se importar,
Seja uma forma sufocante de tentar reatar, voltar ao túnel do tempo.
Cada coisa em seu tempo, penso eu

Entenda todo esse gesto de quem quis,
Mas vou dizer amigo, já disse Vinícius que até o mais belo amor não sobrevive a indiferença. Quem dira uma amizade
Às vezes a gente cansa,
Fiz o que não deveria, fechei meus olhos e ouvidos para conselhos ' isso é se rebaixar'
Mas eu quis tentar, sabia o que os outros podiam pensar e até da forma maldosa que podia ser entendido.

Eu quis, eu tentei. Não me leve a mal

Nenhum comentário:

Postar um comentário