segunda-feira, 31 de outubro de 2011

medo que se foi

Quando sua mão se enroscou na minha
Logo soltei-a, com um medo surreal

Você me lançou um olhar desentendido
Um olhar sincero e infantil de quem não sabia o que havia se passado.

Eu não soube esconder, o silêncio falou por mim
Você suavemente se enconstou e sorriu deixando tudo mais confortável e encorajado.

idas e vindas

Era alguma coisa no olhar, no sorriso, na maneira como segurava minha mão e me segurava


Era assim, alguma coisa assim...