segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

busca

Não vês,
Nem os anjos quiseram dar-te o perdão.
Nem a lua em seu estado de esplendor máximo ,quis dar-te a impagável presença
E nem os pássaros,os quais eram teus amados e fiéis companheiros quiseram ficar para ver tua inexorável miséria.
Agora
Acostuma-te com as baratas e o esgoto, pois eles são teu abrigo
Pois prodígio iluminado, não existe mais.
Acostuma-se sem nenhuma mordomia
Sem nenhum abraço amigo
E sem nenhum afago interminável.
Apenas acostuma-te a viver entre os sujos, e com a ira daquele que possui ausência de begnitude.

Um comentário: