segunda-feira, 22 de novembro de 2010

. nebuloso

O dia raiou radiante, pleno, absoluto

Então decidi tomar uma decisão

Peguei o telefone e disquei... tu tu tu

-Alô, quem fala?

- Com quem quer falar?

-Com a tristeza meu rapaz, mande ela me deixar em paz!

- Mas minha querida, ligou aqui outro dia querendo conversar com a ansiedade

- Ora meu rapaz, vá logo chamar, quero resolver esse assunto que anda a me atormentar

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Introspectivo, Retrospectivo, Anacronismo.

Sabe Maria, hoje eu vim aqui te visitar
Suas ruguinhas são tão bonitinhas que dá até vontade de tocar
Você as cuida de uma maneira tão majestal, não as esconde

Ai Maria, se soubesse como andam os meus dias
Seus cabelos tão branquinos como neve se tornariam transparentes
Sabe vózinha, eu me perdi em mim. Será que tem volta?

Eu queria passar o dia inteirinho aqui, bem do seu ladinho
Fazendo meus dedos novinhos deslizar sobre seus longos e vividos cabelos lisinhos
Quero também vózinha escutar suas historinhas da infância; suas lutas, batalhas, vivências

Me ensina Maria a ser tão guerreira assim, exemplo a se seguir
É minha boa Maria, acho que o tempo te judiou e a tranquilidade te acalmou
E hoje você é uma boa velhinha...calma e serena

Ai bisa minha, que saudadezinha no coração.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Canção

Eu não sei cantar
Os versos mais doces
Que um dia compus
Versos livres,
Versos soltos,
Versos meus.

Eu não sei dar melodia
A canção tão esperada
Canção tomada por tanto amor.
Canção suave
Canção fina
Canção doce,
Dos longos versos que escrevi.

Palavreando, Palavrear, Papear.

As vezes brincamos tanto com os sentidos das palavras que acabamos nos perdendo dentro deles e de nós mesmos.
Porém brincar com palavras é tão bom, parece que podemos dizer tudo,e além de dizer tudo podemos criar um sentimento de confusão.
Ai, as entrelinhas.

Arte da poética

Na maioria das vezes tentamos esclarecer a poesia.
Tentamos mostrar ao mundo o que diz nossa poesia, e o que nos leva a praticar poesia.
E eu digo : ' A poética é o mundo. Eu sou o mundo, você é o mundo, nós somos o mundo'.
Somos viventes, somos amor, somos ódio e cumplicidade, temos compaixão e orgulho.
Quer mais que isso para fazer poesia?
Minha poesia, minha vida, meu ser, meu mundo, meu quotidiano.

domingo, 29 de agosto de 2010

Portinha

Vem aqui amor, posso te contar um segredo bem miudinho?
Desses que passa pela portinha do coração bem tranquilinho, mais carrega uma carga de motivação.
Segredo miudinho, do tamanho de uma bolinha de gude, contendo as cores do arco íris.
Segredo esse que se conta só para os grandes, apesar de ser bem pequenininho.

domingo, 8 de agosto de 2010

Bailarina

A bailarina com sua espetacular leveza fazia a platéia à admirar

Eles, pagantes com olhinhos de bolinha de gude esticavam o riso que ecoava pelo teatro

A bailaria era uma mocinha, uma mocinha bem meiga

Mocinha cativante, dessas ai que comovem um milhão de pessoas em segundos

Ela dava piruetas pelo salão...

Ah bailaria, se eu tivesse a sua leveza.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O comediante ria, enquanto a platéia o observava freneticamente assustada.
Não sabiam o por que de tanta risada.
Patetas do mundo, da esquina, do turno. Patetas de uma vida inteira.
Latino americano sem estrada, sem fim.
Hoje não é dia - disse aurora baixinho.
Quando é dia então - endaga um moço

Não sei...



Hoje não é dia.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

sem qualquer valor.

E onde há pergaminhos, há minhas simplórias palavras sem qualquer valor.

domingo, 1 de agosto de 2010

estrela da manhã

'Se eu pudesse, eu faria bolinhas de sabão e as deixaria voar. Mas ultimamente ando estranha com essa tal de liberdade.'

sábado, 31 de julho de 2010

vivendo

Sabe quando você se limita?
Limita seus beijos, seus abraços, e até seu sorriso?
Limita todo e qualquer tipo de expressão e sentimento.

Limitar não é viver amigo,
Viver não é limitar

Viver é viver no sentido mais amplo e completo da palavra,
É extrair toda sua essência, até não sobrar mais uma gotinha se quer.
Viver é existir, não só marcar presença.

Viver é sentir,
Viver é sorrir, e
viver é até brincar.

Você vive? Já viveu hoje?

Bom dia, O Sol ainda aquece.

.Assimétrico

Ai, que estranha vontade essa de ser gente
Que vontade de ser

sexta-feira, 2 de julho de 2010

a que preciso

Preciso de uma poesia,
um papel A4,
uma taça de vinho e bons pensamentos.

Como o que ela fazia
versos; mais para fatos
cultuados como pergaminhos
com seus ensinamentos


"viva!" ela pregava, dizia:
para corpos inatos
para olhares mesquinhos
sem felicidade nem sofrimento.

ansiosa, esperava o diamedia meticulosamente cada um de seus atossó precisava de rimas e um gole de carinhode sua alma, apenas um fragmento.

(Bharbara, Guigo, Tales, Marilisa)

Mundo

Criança, venha aqui,
Não se perca no escuro.

Não deixe o sol virar cinza,
Não deixe seu coração descolorir.

Veja o Sol,
Ele é um pontinho brilhante no infinito.

Veja a luz,
Essa ai, que ilumina sua alma

Dá-me a mão criancinha,
Deixa-me dizer que os dias não precisam ser necessariamente negros

Tudo o que precisa fazer é me dar sua mão

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Humanidade

Existem coisas que o tempo não apaga
Que o coração não esquece
Que o vento não leva

As vezes seria melhor apagar
Mas os sentimentos humanos vão além de um simples deletar
Ah,e como seria se todos esses mistérios fossem desvendados?!
A tal da graça inexistiria
O milagre do fabuloso cérebro humano seria previsível
E ai nada mais se conectaria,ou melhor, tudo se organizaria

E esses tais sentimentos humanos se tornariam obsoletos
Fora de moda
Antiguidade... Coisa rara
Talvez pudessemos criar o museu dos sentimentos, esse que geralmente guardamos no coração, mente,alma
E eles custariam uma fortuna
Eu seria frequentadora assídua

É, existem coisas que a modernidade não supera
Existem coisas pelas quais o coração ainda clama
Existem coisas que ficam bem melhores implícitas

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Para os dias de inverno

A senhora elegantemente tecia um cachecol,
Parei para espia-la.
Suas mãos firmes e macias trabalhavam sincronicamente,
E o cachecol assim tomava forma.

Era uma cor viva,
Um modelo extraorniário assim como as fábulas de Poe.
Acomodei-me na janela,
E assim que me viu, ela sorriu simpaticamente.
Senti como se fosse Maria, minha bisa;
Meu coração sentiu-se confortavel ao olhar a senhora.

Em um ato confuso ela se levantou, com um pouco de dificuldade, afirmo.
Veio ao meu encontro,
Pegou minhas mãos e não disse absolutamente nada. Apenas sorriu;

Me observou por uns dois minutos e,
Deslisou sua mão por minha face e maquinalmente retirou de seu pescoço um cachecol verde que o recobria...Era lindo e elegante.
E sem dizer nada o enrolou em mim...
Eu sorri para ela como forma de agradecimento,
Ela saiu caminhando novamente a poltrona macia, sem dizer nada...
Sentou-se e disse : 'Faz muito frio ai fora'

Vento Suave

E o vento levou
Levou toda aquela tristeza
Levou todos os maus pensamentos
E levou até meu coração.

Esse vento que não é forte, que não pressiona
É um vento manso, com um soprar bem calminho
Que encontra fácil e me faz sorrir
Me faz sorrir ao pensar que ele existe

Meu vento é leve e não me cobra
Ele é leve e sorri de mansinho
Rotineiramente sopra dentre meus cabelos e me acalma
Mais meu vento também grita e me irrita quando passa forte e me faz perder o sentido

Esse tal vento ai ajusta minha respiração
Faz meus olhos fecharem levemente, e apenas escuto seu soar
Sinto também sua leve brisa passando por todo meu corpo
Parece que assim eu me sinto mais confortável

Meu vento canta seu amor pro mim a toda hora
Eu sinto ele perto, mesmo quando está ausente
Sinto ele todas as horas, minutinhos corridos e segundos demorados
Sinto seu farfalhar lá de longe

Ele me faz dormir e sorrir
Meu vento tem nome, seu nome é Amor

sábado, 24 de abril de 2010

Ao meu amor

Vem cá amor, dai-me tua mão gelada
Que eu a coloco entre meus seios
Dai-me teu sorriso amor, tua alma e teus beijos.

Dá-me amor, longos intervalos se sorrisos e de alegria
Dá-me amor denovo a vida, aquela que me roubaram
Dai-me amor teus versos longos, tua cantiga curta e teu amor eterno
Dai-me amor, teus dias e tuas noites, teu almoço e tua janta
Divide comigo amor essa plena felicidade...

Faz dela, a minha.

Não me solta a mão amor, não me deixa cair no precipício,
Não me deixa viver sem seu olhar.

Dá-me amor, aquele carinho e aquele beijo
Volta no tempo amor, só para me fazer feliz
Não deixa amor, o vento manso levar tuas folhas para longe de mim
Não deixa amor, essa distância quebrar o elo
Dá-me amor, todo teu amor.

sábado, 10 de abril de 2010

Poema de uma vida vestibulosa

Vida, o que eu faço aqui?!
Vida perdida no meio de 350 vidas
Vida minha, vida sua, vida nossa

Todos levando a mesma vida
Miserável? Confusa? Constante? Tediosa?
Independente de como seja, é vida

E o importante da vida é apenas ser vida destacada.
Afinal, o que é vida coesa?!
Que vida, sábia vida, sabe ser apenas 'vida'?

Para ser vida necessita ser intensa, frenética, alucinante
Precisa não apenas, ser vida
Precisa ser amor, vida, alma
Vida. v-i-d-a sua, minha, nossa

Vida

inexorável...

sexta-feira, 2 de abril de 2010

abstrato.

Amar-te-ia,
com longos intervalos de plena emoção.
Falar-te-ia,
que os anjos do meu coração se alegram com seu coração ao lado do meu coração.

quinta-feira, 18 de março de 2010

.Céu

O céu não fala,
ele apenas cala

O céu silência,
e trás à tona toda a forma

O céu,mesmo calado conversa

Espalha nuvens
entorna a forma
e canta silenciosamente

O céu acolhe,
faz lágrima escorrer

O céu não chora,o céu desaba

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Ela

Olhem, lá está ela
A garota do coração apertado e da face enganada.
Dizem as más linguas que ela não fala
Que ela apenas ouve e concorda positivamente com a cabeça
E que ela ficou assim após um beijo mal dado e um postal irrelevado
Ela vive andando, de um lado para o outro
Ela parece louca
Raramente conversa
Os únicos para quem sorri são para as crianças do bairro
Nunca ninguém teve coragem de a questionar
Muito menos de propor um diálogo
Mas ela parece bem sem tudo isso
O tempo passou, e a garota do olhar perdido se encontrou em um outro alguém
Em um alguém que não é irreal com ela

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

mundo

Ah, se eu pudesse,
Recitar como Anjo,
Amar como Deus,
E ser capaz como Freud...
Eu ganharia o mundo.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Noite

Piedosa noite,
Que vem de encontro ao meu ser.
Piedosa és tu,
Que deixa eu me perder em tuas multiplas facetas.
Facetas doces
Facetas azedas
E até amargas.
Da mesma forma que me perco em tuas reentranças, me encontro em tua afável luz
Pois meu abrigo és tu, noite gélida e cruel
Que não aquece, nem semeia
E que apenas abre tuas portas, para os seres noturnos vagar
No clarão da Lua, e na irreverência absoluta das estrelas, caminhamos
Caminhamos...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

busca

Não vês,
Nem os anjos quiseram dar-te o perdão.
Nem a lua em seu estado de esplendor máximo ,quis dar-te a impagável presença
E nem os pássaros,os quais eram teus amados e fiéis companheiros quiseram ficar para ver tua inexorável miséria.
Agora
Acostuma-te com as baratas e o esgoto, pois eles são teu abrigo
Pois prodígio iluminado, não existe mais.
Acostuma-se sem nenhuma mordomia
Sem nenhum abraço amigo
E sem nenhum afago interminável.
Apenas acostuma-te a viver entre os sujos, e com a ira daquele que possui ausência de begnitude.